Alguns acham que podem falar o que quiserem onde quiserem.

“Vivemos em uma democracia. Posso dizer o que penso.”

E, assim, ao levantarem essa bandeira, saem falando, falando, falando sem qualquer critério, sem bom senso, sem polidez.

“Sou sincero. Eu falo o que penso.”

Aí, lasca tudo mesmo. Vive em uma democracia e ainda é sincera a criatura. Assim ninguém suporta.

E essa criatura sincera que vive em uma democracia vai pela estrada a fora falando o que quer para quem quer.

E como é chata.

Porque, assim, vamos combinar, poder abrir a torneirinha de asneiras e sair por aí despejando é bom demais. Todo mundo gosta. Mas, minha gente, para tudo tem hora e lugar. Até para falar.

É chato, muito chato  a criatura que vive com a torneirinha ligada, a todo o tempo, sendo sincera porque vive em uma democracia e tem o direito de falar.

Dá vontade de virar o Quico e gritar:

“Cale-se, cale-se, cale-se, você me deixa louco!”

Porque tem gente que, ao acreditar que algum  está fazendo tudo certo ou tudo errado, bombardeia a vida da gente com mensagens e mais mensagens defendendo seu ponto de vista. Ao torcer pelo Corinthians, falta pouco enlouquecer o coleguinha anunciando o quanto seu time é maravilhoso. Qualquer fato é motivo para sair proclamando o que pensa. Afinal, ele é sincero e vive em uma democracia.

E o pior: toda essa sinceridade no ouvido de quem às vezes não está assim tão afim.

Seja sincero, aproveite a democracia, mas tenha bom senso. Use-o para perceber quando a defesa apaixonada do seu ponto de vista, a proclamação inflamada de que você ama ou odeia o vermelho, está atrapalhando relacionamentos, desfazendo grupos, destruindo amizades.

Tenha certeza, por vezes, tudo de que seu grupo no WhatsApp precisa é do seu silêncio.

Vá por mim.

Comentários

Atenção! Os comentários do Jornal Grajaú de Fato são via Facebook, lembre-se que o comentário é de inteira responsabilidade do autor, comentários impróprios podem ser denunciados por outros usuários, acarretando até mesmo a perda da conta do Facebook.